close
Inovação Tempo de leitura: 2 minutos

Brasil é mercado promissor para produtos Halal

Saiba mais sobre o mercado que promete movimentar 76 bilhões de dólares para o setor da beleza

Por: Almir

Os cosméticos Halal estão ganhando cada vez mais espaço no mercado da beleza mundial. De acordo com relatório State of the Global Islamic Economy Report 2020/21, os produtos – também conhecidos como Haraam – movimentarão US$ 76 bi até 2024.

Veja aqui a pesquisa completa

O crescimento da população muçulmana, que hoje somam 1,8 bilhões de pessoas, e a adoção de estilos de vida mais modernos têm sido fatores primordiais para o movimento e aumento considerável de vendas de produtos Halal. E, apesar da comunidade muçulmana no Brasil não ser tão grande (estima-se 1 milhão de muçulmanos no país), essa certificação islâmica pode ser fundamental para algumas marcas que querem exportar para países muçulmanos e não muçulmanos (mas que tenham uma grande população islâmica).

Segundo dados de uma pesquisa realizada pela Câmara de Comércio Árabe Brasileira (CCAB), 15% dos consumidores entrevistados – todos de origem árabe – já compraram algum produto brasileiro; e 45% deles disseram que comprariam cosméticos produzidos no Brasil.

O que é ser Halal

O que difere os cosméticos islâmicos de outros é, sobretudo, a questão religiosa. No idioma árabe “Halal” significa permitido, autorizado, lícito, legal, dentro da lei, ou seja, o que está de acordo com as regras estabelecidas pela Lei Islâmica (Shariah), que rege os costumes e a vida diária dos muçulmanos.

Para obter a certificação haraam para comercialização e venda, o cosmético precisa comprovar, por meio de documentos e análises laboratoriais, que não contém matérias-primas, insumos ou se utiliza de processos produtivos que prejudiquem a saúde, a segurança das pessoas e o meio ambiente, tudo baseado em preceitos religiosos. Tanto a certificação quanto os trâmites para exportação têm regras muito exigentes. 

Por causa desse rigor, inclusive, as maquiagens Halal vêm conquistando muitos adeptos não muçulmanos; principalmente aqueles que preferem usar cosméticos sem nenhum composto derivado de animais.

Os produtos Halal proíbem o uso de, por exemplo, porco, insetos, sangue, répteis e animais predadores. Mas é preciso ficar atento, pois alguns ingredientes originários de boi, aves e cabras são permitidos (mesmo que para serem halal, os animais precisam ser abatidos de acordo com a legislação islâmica).

Diante disso, é importante ficar atento ao selo halal vegano, esse sim – com 100% de checagem durante toda produtividade – livre de qualquer produto de origem animal.