close
Cuidados Tempo de leitura: 2 minutos

Cosméticos podem ter efeito platô. Entenda

Eficácia dos produtos para pele tem relação com o ciclo natural cutâneo

Por: Almir

Quando se usa um creme por muito tempo pode se ter a impressão de que ele não está mais fazendo o efeito inicial. Essa sensação, porém, não é incomum e tem até nome: efeito platô cosmético. Isso é notado, principalmente, no uso de produtos que tenham um efeito mais potente, para além da hidratação.

Em entrevista para o Cosmetic Innovation, a Dra. Roberta Padovan, médica pós graduada em Dermatologia e Medicina Estética, esclarece que esse fator que faz com que os resultados do corpo “estacionem”, mesmo que ele esteja recebendo estímulos, tem explicação científica.

“A taquifilaxia é um termo farmacológico usado para indicar quando a pele atinge sua tolerância com um produto e você precisa cada vez mais de um determinado ingrediente ativo para obter os mesmos resultados”, explica a profissional.

Veja aqui a matéria completa

Isso não quer dizer, porém, que a ação do cosmético é ineficaz, mas que a pele passa por um processo de adaptação ao produto. Ou seja, embora os produtos melhorem a pele, esse efeito é atingido em um nível natural. Com o passar do tempo, o papel deles passa a ser o de manutenção para que o tratamento continue a ser eficaz.

Não é necessário mudar os produtos de cuidado com a pele a cada mês. Embora não tenha  nenhum problema em mudar ou experimentar novos cosméticos, o ideal é respeitar o ciclo cutâneo que dura de cinco a seis semanas. Antes disso, as novas células não têm a chance de se regenerar, já que todos os dias eliminamos células mortas da pele.

Cosméticos de efeito imediato

No entanto, é bom não confundir os cosméticos que tratam a pele respeitando o seu ciclo natural com os de efeito imediato. Conhecidos como produtos com “efeito Cinderela”, eles foram criados para promover um resultado imediato mas temporário, minimizando rugas e flacidez.

Esses produtos produzem um efeito tensor na pele graças a ingredientes à base de proteínas como o DMAE, Sesaflash, Tensine e Raffermine. Combinados com ingredientes da base da formulação como polímeros tensores, normalmente derivados de acrilatos, que irão tensionar a pele gerando esse efeito de esticar que pode ser percebido minutos após a aplicação. O ácido hialurônico também é um ativo bastante usado em cremes tensores. Ao serem aplicadas no rosto, essas substâncias se desidratam e se retraem promovendo um efeito superficial de tensão muscular facial.

Por não ter efeito duradouro, esse tipo de cosmético não deve ser considerado um tratamento anti-aging.