close
Cuidados Tempo de leitura: 3 minutos

Ingredientes prejudiciais à saúde são encontrados em cosméticos brasileiros

Veja as substâncias que ainda são permitidas no Brasil, mas já estão proibidas em muitos países

Por: Almir

É contra a lei um cosmético conter qualquer ingrediente que o torne prejudicial à saúde. É por isso que é tão importante o consumidor ficar atento às instruções de uso e, também, a regulamentação vigente no país de origem de um determinado produto.

Alguns ingredientes não são necessariamente proibidos, mas podem provocar reações adversas, como alergias. Por isso, é necessário verificar os rótulos com o intuito de se certificar sobre uma possível intolerância às substâncias listadas nas formulações.

Se um produto contém ingredientes que podem causar irritação na pele em certos indivíduos, é mais prudente fazer um teste preliminar de acordo com as instruções que o acompanham.

Avaliação de Cosméticos

Também é importante compreender que alguns cosméticos que são seguros quando usados ​​corretamente, podem ser inseguros quando usados ​​da maneira errada. Os cosméticos devem ter instruções de aplicação ou declarações de advertência necessárias para garantir que as pessoas usem utilizem-nos com segurança. Por exemplo, alguns ingredientes podem ser seguros em produtos para limpar a pele, mas não para ser deixado sobre ela por horas. Da mesma forma, ingredientes que são seguros para uso no cabelo ou nas unhas podem ser perigosos quando usados ​​na pele ou próximo aos olhos.

A União Europeia proibiu cerca de 1,3 mil substâncias em cosméticos. Já a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) tem a sua própria lista de substâncias proibidas baseada na listagem europeia, mas nem sempre incorpora esses itens imediatamente.

Confira, a seguir, algumas substâncias que, embora nocivas para a saúde, ainda são encontradas nos cosméticos brasileiros.

Ftalatos

É uma substância usada para deixar os plásticos mais maleáveis. Na cosmetologia, são encontrados em esmaltes, a fim de que a sua cobertura não fique quebradiça. Também podem ser usados como fixadores e estabilizantes em desodorantes.

O problema é que não existem garantias de que os ftalatos sejam seguros. Aliás, há evidências de que eles interfiram na produção de hormônios, visto que a sua exposição a longo prazo tem um efeito cumulativo.

Formol

Após uma regulamentação da Anvisa, os formaldeídos foram proibidos no Brasil, com exceção de concentração máxima de 0,2%, mas apenas com função conservante. Embora haja essa restrição, muitos fabricantes descumprem a legislação brasileira e comercializam produtos com concentração superior à permitida.

Conhecido popularmente como formol, ele é muito usado em produtos que prometem alisar o cabelo. Mas, além desse efeito, ela produz outros bastante indesejáveis. Os formaldeídos são considerados cancerígenos pela Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC), sobretudo, quando inalado, podendo causar câncer nas vias respiratórias.

Triclosan

Essa substância é facilmente encontrada em produtos antibacterianos, como sabonetes antissépticos. Entretanto, a FDA (a agência de regulação americana), após uma série de pesquisas, revelou que a exposição prolongada ao triclosan pode gerar resistência bacteriana e alterações hormonais. A substância, então, já foi banida em vários países.

Os agentes bactericidas triclocarban e o triclosan são os mais nocivos e que podem levar ao surgimento de bactérias super-resistentes.

Parabenos

Os parabenos são os conservantes mais comuns de serem encontrados na indústria de cosméticos, a fim de que os produtos não sejam contaminados por micro-organismos.

Começaram a surgir questionamentos quanto ao uso de parabenos após a publicação de uma pesquisa de médicos oncologistas da Universidade de Reading, na Inglaterra, em 2004. Segundo os oncologistas, foram encontrados resquícios de parabenos em certos tipos de tecidos tumorais, como o câncer de mama .

Outra pesquisa, feita em 2002 pelo Laboratório de Saúde Pública de Tóquio, apontou que propilparabeno pode afetar negativamente a fertilidade em mamíferos.

A explicação é que os parabenos possuem ação estrogênica, ou seja, atuam como hormônios em nosso organismo, interferindo no sistema endócrino. Isso causa um desequilíbrio que pode gerar inúmeros problemas, e está associado ao surgimento do câncer.

Após muitas análises, no entanto, a União Europeia declarou que as pesquisas não conseguiram apontar uma correlação entre a doença e os parabenos.