close
Cuidados Tempo de leitura: 2 minutos

Pesquisa indica que ginástica facial ajuda a rejuvenescer a pele

Método de exercícios diários podem aumentar a tonicidade e firmeza da face

Por: Almir

A pele humana não necessita apenas de cremes para se manter com aspecto jovem e saudável. E isso não é apenas um factoide, mas algo comprovado cientificamente. Uma pesquisa realizada pela Universidade Northwestern, EUA, comprovou que a ginástica facial ajuda a fortalecer a musculatura do rosto ao ponto de ganhar tonicidade para aplacar os sinais do tempo.

Veja aqui a pesquisa completa

O estudo norte-americano, coordenado pelo professor e doutor Murad Alam – dermatologista da Northwestern Medicine, professor e vice-presidente da Escola de Medicina Feinberg da Northwestern University -, testou os exercícios em mulheres de 40 a 65 anos com fotodano, associado a atrofia facial leve a moderada. Durante 20 semanas, as voluntárias fizeram exercícios diários por 30 minutos, resultando em peles mais tonificadas e contornos mais delineados. 

Em entrevista ao site Northwestern University, Alam afirma que a prática de exercícios faciais regulares melhoraram a plenitude facial média e inferior, o que pode ser resultado de uma hipertrofia da bochecha e de outros músculos da face. “Os exercícios ampliam e fortalecem os músculos faciais, fazendo com que o rosto fique mais firme, tonificado e com a forma de um rosto mais jovem”, garante.

Benefícios da ginástica facial são difundidos há muitos anos

Esse foi o primeiro estudo científico a comprovar que o exercício facial, de fato, melhora a aparência da pele; No entanto, apesar de ser claramente um avanço científico, mais pesquisas ainda são necessárias para isolar as causas e efeitos das mudanças relacionadas aos exercícios. 

Antes do resultado conclusivo da pesquisa ser publicado na revista JAMA Dermatology, algumas pessoas já propagavam os benefícios da ginástica facial. Em 2016, a especialista em cuidados com a pele sul-africana, Inge Theron, inaugurou em Londres, na Inglaterra, a FaceGym, considerada a primeira “academia” de exercícios para o rosto do mundo.

Com a promessa de exercitar 40 músculos da face, o local logo se tornou sucesso e ganhou franquias pelo mundo. A diferença é que, ao contrário do método difundido pela pesquisa da Northwestern University, assistentes e aparelhos são os responsáveis por estimular a musculatura da pele. A marca, também, oferece aos clientes procedimentos estéticos mais invasivos, como o lifting facial, com a proposta de resultados mais rápidos.

Já Olecia Ivanova, uma modelo ucraniana há cinco anos radicada no Brasil, ensina nas redes sociais um método de ginástica facial similar ao realizado no estudo. Com exercícios relativamente simples – desenvolvidos com técnicas aprendidas em cursos no seu país de origem -, ela promete trazer firmeza e tonicidade muscular à pele. “Eu comecei a usá-lo em mim mesma para não ter que fazer procedimentos estéticos invasivos no meu rosto”, explica Ivanova às alunas em seu canal no Youtube.

É importante salientar que, mesmo com comprovação científica, os resultados dos exercícios são individuais e precisam ser identificados por quem os pratica. A boa notícia é que, embora seja mais indicada para pessoas a partir dos 30 anos (que é quando os sinais do tempo costumam começar a aparecer), a ginástica facial não tem nenhuma contraindicação. Ela pode ser praticada diariamente, sem restrições, por pessoas com qualquer tipo de pele e idade.