close
Cuidados Tempo de leitura: 2 minutos

Tipos de pele vão muito além da escala de oleosidade

Investigar fatores como genética, fototipo e pH da pele pode definir melhor abordagem para uma skincare mais eficaz

Por: Almir

Na hora de comprar um cosmético, muitas pessoas apenas conferem se ele é recomendado para a pele seca, oleosa ou mista. Mas nem sempre isso garante bons resultados. A pele também conta com outros fatores como genética, fototipo, pH, hábitos de vida, poluição e até mesmo os microrganismos existentes no tecido cutâneo, que podem influenciar diretamente na eficácia de um tratamento.

Em entrevista à Cosmetic Innovation, a Dra. Roberta Padovan, dermatologista pós-graduada em Dermatologia e Medicina Estética, alerta que muito além de categorizar a pele pela quantidade de água e óleo, é necessário fazer um diagnóstico correto para se montar uma rotina skincare adequada.

“É muito comum que as pessoas acreditem possuir pele oleosa simplesmente por apresentarem espinhas quando, na verdade, possuem a pele seca e, na tentativa de controlar a oleosidade por meio da utilização de ativos seborreguladores, acabam ressecando ainda mais a pele”, exemplifica a doutora.

Veja aqui a matéria completa  

Fatores que determinam tratamentos

Com os avanços das pesquisas na área dos cosméticos, as marcas têm se voltado cada vez mais para a ciência a fim de reconhecer características específicas da pele. Hoje, por exemplo, já se sabe que cada ser humano tem uma espécie de “impressão digital” chamada de microbiota cutânea.

As constantes agressões do dia a dia como maquiagem e cosméticos de má qualidade, suor, clima e poluição, podem prejudicar o equilíbrio desse ecossistema, resultando em ressecamento, inflamação, estresse e sensibilidade, além de favorecer a proliferação e fortalecimento de bactérias que podem causar doenças de pele.

Além disso, é recomendável utilizar produtos que regulem o pH do tecido cutâneo e levar em consideração o fototipo e as alterações hormonais.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBAD) adverte que, mesmo com toda esta proteção, a pele é permeável e absorve substâncias, tanto que muitas vezes recorremos a tratamentos tópicos. Assim, deve-se redobrar o cuidado com os produtos que usamos. E, essa atenção deve ser redobrada em crianças e idosos, pois eles possuem a pele mais fina.